InícioPortalFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 [PhiLiz Review] HIM - Love Metal

Ir em baixo 
AutorMensagem
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: [PhiLiz Review] HIM - Love Metal   Seg Out 06, 2008 2:06 pm

HIM - Love Metal

Introdução

Aposto que já muita gente ouviu falar deste termo, já que é muitas vezes usado para caracterizar os HIM (que supostamente foram os pioneiros do género). Em jeito de nota pessoal sobre isto, penso que é um rótulo demasiado rebuscado, para mim HIM é pura e simplesmente Gothic Rock (embora perceba a necessidade de diferenciarem HIM de bandas como The Cure ou Sisters Of Mercy).

Passando à frente, este é o 4º álbum de originais da banda finlandesa e era uma autêntica incógnita, já que se receava (eu pelo menos) que fossem mergulhar ainda mais no Pop/Rock do Deep Shadows And Brilliant Highlights. Claro que também havia a hipótese de fazerem algo tão genial como o Razorblade Romance ou o Greatest Lovesongs Vol.666 mas os fãs estavam apreensivos.

Era essencial que os HIM dessem uma prova de qualidade, ou iriam definitivamente abaixo. A prova foi dada em forma de consistência e maturidade. Este álbum é claramente superior ao Deep Shadows And Brilliant Highlights, mesmo se tivermos a comparar 2 sonoridades opostas, o que só por si é bom. Não se pode (mesmo) comparar com os 2 primeiros álbuns da banda já que a sonoridade é ainda mais distinta.

Este é sem dúvida o álbum mais "rockeiro" da banda de Ville Valo, incorporando muitos elementos de Hard Rock e até de Heavy Metal. As letras continuam na mesma toada entre o Amor e a Morte, mas mesmo nelas nota-se que estão mais poéticas e elaboradas. A voz, é diferente dos álbuns anteriores. Mais arranhada, mais rouca, conclusão mais Rock (não há mais graves profundíssimos como no Razorblade Romance ou agudos exagerados como no Deep Shadows And Brilliant Highlights).
Nota-se que é HIM (e ainda bem), mas nota-se ainda mas que evoluíram de uma forma consistente.

Em relação à parte de marketing, o álbum foi lançado pela BMG em toda a Europa e teve três singles: O 1º foi Funeral Of Hearts, o 2º Buried Alive By Love e o último The Sacrament. Todos eles tiveram videoclips, dos quais destaco o de The Sacrament com paisagens incrivelmente belas. Houve ainda 'Digipack Version' com um DVD extra que incluía, para além de uma faixa bónus, 6 videoclips gravados ao vivo num concerto no festival Semifinal.



Alinhamento
01 - Buried Alive By Love
02 - The Funeral Of Hearts
03 - Beyond Redemption
04 - Sweet Pandemonium
05 - Soul On Fire
06 - The Sacrament
07 - This Fortress Of Tears
08 - Circle Of Fear
09 - Endless Dark
10 - The Path
11 - Love's Requiem*

*- Faixa bónus apenas presente na 'Digipack Version'.

Ano 2003

Editora BMG

Faixa Favorita 05 - Soul On Fire

Género Gothic Rock

País Finlândia

Banda
Emerson Burton (Janne Puurtinen) - Teclados
Gas Lipstick (Mika Karppinen) - Bateria
Linde (Mikko Lindström) - Guitarra
Migé Amour (Mikke Paananen) - Baixo
Ville Valo - Voz



Review

O álbum é iniciado com o "incendiário" Buried Alive By Love. Esta 1ª faixa tem no seu início um riff de guitarra tipicamente Heavy Metal, executado por Linde e também possui uma bateria bem agressiva que vai acompanhar o álbum quase todo. O baixo é sólido e presente, enquanto que os teclados estão presentes, mas não têm uma importância tão grande como nos anteriores trabalhos de HIM. Há uma parte mais calma e típica dos anteriores, mas no refrão volta a ganhar velocidade e batida mais forte. A voz é bem mais rouca e arranhada que nos trabalhos antecedentes, mas ganha um tom mais forte que não deixa de ser surpreendentemente agradável. A letra tem momentos de grande nível (nomeadamente no refrão) e relata a história de um amante cego, que compara o não ser amado quando se ama, a estar morto e daí o título, Buried Alive By Love. Foi o segundo single do álbum.

To die is to know that you're alive
And my river of blood won't run dry
I never wanted to lose you, no
But a cold heart is a dead heart

And it feels like I've been buried alive by love
If I should die before I wake
Pray no one my soul to take
And if I wake before I die,
Rescue me with your smile


Após um começo poderoso, Funeral Of Hearts, é quando se começa a reconhecer a banda de novo. Guitarra acústica no início, teclados de Emerson Burton a fazerem um excelente trabalho e um refrão de "veludo" com a voz de Valo a aproximar-se da fase Razorblade Romance, com um tom mais Pop. Há uma excelente parte melódica que antecede uma progressão que culmina na parte mais pesada da faixa e onde são notórias as influências mais pesadas da banda. Tendo sido o 1º single do álbum, deu logo para notar que apesar de continuarem a ter as influências Pop este álbum era diferente dos 3 anteriores. A letra é representativa das temáticas amor/morte que a banda tanto procura, e é apesar de simples, muito apelativa.

Love's the funeral of hearts
And an ode for cruelty
When angels cry blood
On flowers of evil in bloom

The funeral of hearts
And a plea for mercy
When love is a gun
Separating me from you


Beyond Redemption, é iniciado com sons de teclado peculiares, para depois conforme a música vai avançado se ir intensificando. Com um refrão extremamente poderoso em quem Gas e Mige (bateria e baixo respectivamente) se fazem notar particularmente. A letra é, como muitas vezes, sobre amor particularmente doloroso, beijos amargos e desejos proibidos. Esta é das letras mais complexas de HIM, porque se as outras já são muitas vezes complicadas de entender, esta é metafórica a cada palavra, o que lhe dá um encanto especial e envolvente.

Feel it turning your heart into stone
Feel it piercing your courageous soul
You're beyond redemption
And no one's going to catch you when you fall

Oh I see you crawl you can barely walk
And arms wide open you keep on begging for more
I've been there before knocking on the same door
It's when hate turns to love and love to hate
Faith to doubt and doubt to faith


O som vai continuar calmo, ao som do ambiental Sweet Pandemonium. Entra quase no capítulo das baladas, com partes extremamente melancólicas, proporcionadas pelos teclados de Burton. É uma faixa hipnótica que tem partes de guitarra acústica muito melódicas e que envolvem o ouvinte numa áurea de veludo semelhante ao que acontecia em álbuns como o Razorblade Romance. A letra é mais directa e não tão direccionada para os temas habituais (amor e morte), mas sim para a maneira como as pessoas se comportam no mundo actual. Destaque para uma voz mais Gothic de Ville Valo que faz lembrar os (bons) tempos do 1º álbum.

Today tomorrow seems so far away
An the wait in vain, yeah
So safe, in the blinding light of love unchained
In yesterday's grave, yeah

The truth that could set souls free
Is buried within sweet pandemonium
Concealed by disbelief
The riddle stays veiled in sweet pandemonium


O ponto alto de Love Metal, é-nos oferecido em forma de fogo. Soul On Fire começa com a bateria de Gas a explodir completamente a faixa, até que os teclados acalmam a música entram a voz de Valo e a guitarra de Linde (num riff tímido, mas agradável). O refrão é completamente a abrir, com a voz de Valo a misturar o melhor do presente e do passado de HIM, sendo que temos a voz rouca e rasgada (típica deste álbum) e os vocais depressivos e sofredores dos trabalhos que antecederam o Love Metal. A música acaba como começou, com um espectacular riff de Hard Rock saído da guitarra de Linde. Uma das músicas mais "hard" de HIM e que é sem dúvida a "malha" do álbum.

Addicted to our divine despair
The venom of the cross we bear
The guilt will follow us to death

We are like the living dead
Sacrificing all we have
For a frozen heart and a soul on fire
We are like the living dead
Craving for deliverance
With a frozen heart and a soul on fire


Em completo contraste com a faixa anterior, temos a meio do álbum, The Sacrement (2º single). Segundo Ville Valo, foi escrita num dia em que ele se encontrava doente, e daí ter uma toada depressiva bastante acentuada. O início de piano, é dos melhores que já ouvi e esse mesmo piano acompanha quase toda a faixa e é notório, sobretudo no refrão. Temos ainda alguns bons riffs de guitarra, e a voz mais melódica de todo o álbum. Sem dúvida, mais um grande momento de HIM. Em relação ao videoclip, tem paisagens lindíssimas da cidade de Praga e da casa onde foi gravado.

I hear you weep so far from here
I taste your tears like you're next to me
And I know
My weak prayers are not enough to heal
The ancient wounds so deep and so dear
The revelation is of hatred and fear

The sacrament of love
The sacrament of warmth is true


Fortress Of Tears é baseada mais uma vez no piano e na voz, com um refrão profundo e melódico, onde Valo executa alguns dos seus famosos agudos (deve ser a única música que os tem no álbum inteiro). É uma boa balada, mas fica a perder em comparação com as do Razorblade Romance (que são as melhores alguma vez feitas por HIM).

No one can hurt you now
In this haven safe and sound
Just hold your breath on your way down

This fortress of tears
I've built from my fears - for you
This fortress won't fall
I've built it strong - for you


Circle Of Fear, tem a voz mais grave de Valo (nos versos) em todo o álbum (embora fique mais rouca e sofrida no refrão) e a melhor prestação de Burton nos teclados, com um riff bastante hipnótico. É na linha de Sweet Pandemonium, embora um pouco mais fluida.

Love can be as cold as grave
A one way ticket to endless sorrow
An empire of gentle hate
Today without tomorrow

If you wanna save her
Then first you'll have to save yourself
If you wanna free her from the hurt
Don't do it with your pain
If you wanna see her smile again
Don't show her you're afraid
'Cause your circle of fear is the same


A penúltima faixa da versão normal é Endless Dark, que segue a linha da anterior. O destaque vai para as letras que são sem dúvida o Gothic Rock da banda em todo o seu esplendor. Linde constrói um riff simples mas muito melódico e "catchy" e os segundos antes do refrão são feitos em progressão melódica de alta qualidade. De destacar o solo do mesmo Linde, com aquela distorção característica, que antecede a parte mais calma da música, só com Ville a cantar. Talvez não esteja entre as melhores de HIM, mas é um símbolo perfeito da consistência que este Love Metal tem.

Softly the light shines in through
The gates of grace on me and you
Deceiving our restless hearts
A flickering flame so serene
Devours the night so we could see
The fear we hold on to so strong

But I know where I belong
Away from your gods
That heal our wounds
And light this endless dark


Por último temos uma das melhores músicas de HIM e um dos grandes momentos deste álbum. Em The Path a maioria da música é composta pelo piano e a voz, mas tem momentos de peso, nomeadamente no refrão. É uma das minhas preferidas, porque é uma música longa que mostra tudo o que a banda faz melhor: Uma grande letra, versos leves e melodiosos e um refrão poderoso. O solo de Linde no meio da música é igualmente bom. 7 minutos em que vagueamos pelo mundo de HIM. Chamo novamente a atenção para a letra, que é das melhores do álbum.

With every step I take
The less I know myself
And every vow I break
On my way towards your heart
Countless times I've prayed
For forgiveness
But gods just laugh at my face
And this path remains
Leading me into solitude's arms

I see through the darkness
My way back home
The journey seems endless
But I'll carry on
The shadows will rise
And they will fall
And our night drowns in dawn


Para finalizar, Love's Requiem, que é um regresso, ao 1º álbum, com uma faixa lenta e melancólica a fazer lembrar a espaços os Type O Negative. Não se enquadra muito bem no álbum (apesar de eu a considerar uma faixa excelente) e talvez por isso foi só incluída na 'Digipack Version' do álbum.

The heart of darkness is hope of finding you there
And that hope will be our love's requiem

We pray to the serpent of delight desperately
The questions are answered and we try not to weep
Until we are sure
We're suffering for love

In the dungeon of our dreams we're so weak
The promise made to be broken still haunts our sleep
And we won't open our eyes
Afraid we would die for love again


Conclusão

Um álbum que relançou a carreira dos HIM quando já os davam como mortos. Mas é mais que um álbum revitalizador: é uma afirmação consistente da banda finlandesa.

As influências mais pesadas do álbum (sobretudo de Black Sabbath) vão agradar a "metaleiros", a sonoridade soturna da banda irá agradar (como sempre aconteceu nos trabalhos anteriores) aos amantes de música mais melancólica e mesmo os "hard rockers" vão gostar das faixas mais a abrir.

PhiLiz


Última edição por PhiLiz em Ter Nov 18, 2008 9:22 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Enttie
Admin
avatar

Mensagens : 1970
Data de inscrição : 01/07/2008
Idade : 30
Localização : Almada/Lisboa

MensagemAssunto: Re: [PhiLiz Review] HIM - Love Metal   Seg Out 06, 2008 10:10 pm

Este sim, é o meu álbum favorito. Loves Requiem, a minha música favorita =') Não existe nenhuma faixa que não seja fantástica. Obra de Arteeee, era o título que eu dava a este álbum!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://himportugal.forumeiros.com
 
[PhiLiz Review] HIM - Love Metal
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» HEREGE WARFARE PROD. - Heavy Metal tape label & distro - DESASTER + + NOCTURNAL + INFERIVM+ GEHENNAH
» 25/26.03.2011 - MOITA METAL FEST 2011 - Sociedade Filarmónica Estrela Moitense
» PAX JULIA METAL FEST 2011
» Metal Horde Zine Distro - Distribuidora de fanzines - 1ª para venda
» Lethal Corrosion (Industrial Metal from Azores)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Discografia-
Ir para: